Novidades Fibratec

Postado em 08 de Agosto de 2014 às 15h28

Telhado verde e coletor de chuva: saiba como será o primeiro bairro sustentável do Rio Grande do Sul

Pelotas foi a cidade escolhida para empreendimento em que 10 mil pessoas poderão viver

Fibratec Engenharia - Reservatórios para Grandes Volumes e Tratamento de Efluentes Pelotas foi a cidade escolhida para empreendimento em que 10 mil pessoas poderão viver Tudo de que você precisa em um raio de 400 metros. Esse é o...

Tudo de que você precisa em um raio de 400 metros. Esse é o conceito do primeiro bairro sustentável do Rio Grande do Sul, que deve começar a ser construído em Pelotas, no sul do Estado, ainda neste ano. Mais do que erguer prédios verdes com consumo reduzido de luz e água, a ideia é criar uma comunidade de 10 mil habitantes, onde tudo possa ser feito a pé ou de bicicleta.

— É possível criar ilhas de sustentabilidade dentro das cidades. As pessoas podem morar, trabalhar e viver em um só lugar. Em um raio de 400 metros, elas podem ir ao trabalho, ao supermercado, ao cabeleireiro, à padaria, à lavanderia... a tudo! — aposta o diretor de um dos escritórios de engenharia responsáveis pelo projeto, Claudio Teitelbaum.
Por isso, o bairro, batizado de Quartier, não será só residencial. As 3 mil unidades habitacionais deverão ter, no térreo, lojas comerciais. Estão previstos, inclusive, um shopping de rua, um hotel de luxo e um palco coberto de grama para espetáculos ao ar livre. E o que tem de verde em tudo isso?

Primeiro, o próprio projeto. O bairro será o primeiro no Estado a ser certificado pela organização "US Green Building Council" por meio do selo "Leed for Neighborhood Development", que comprova que o bairro é sustentável. O título só é concedido se o empreendimento cumpre uma série de determinações: ter boa localização, priorizar transportes alternativos, preservar a natureza, ter construções com consumo reduzido de água e energia, ser um misto de residências, comércio e serviços em que tudo possa ser feito a pé, e fomento ao progresso local. Segundo o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado do Rio Grande do Sul (Sinduscon-RS), esse é o primeiro bairro gaúcho a ter o selo.

O investimento inicial é de R$ 40 milhões. Já o preço de cada apartamento ou área comercial ainda não foi definido. O bairro Quartier deverá começar a receber terraplanagem e instalações elétricas até o fim deste ano e ficar inteiramente pronto dentro de dez anos.

Pelotas foi escolhida para sediar o que o escritório de engenharia classifica como "primeiro projeto de muitos" por causa da expansão do polo naval de Rio Grande, entre outros fatores. O empreendimento ficará dentro do bairro Três Vendas.

Cada construção tem especificidades para atender ao propósito de ser sustentável. Confira algumas diretrizes:


Energia

O projeto prevê a instalação de placas solares no teto dos prédios ou uma estação de produção de energia eólica. As lâmpadas deverão ser todas de led, mais econômicas que as comuns. Com isso, a conta de luz pode sair até 40% mais barata para os moradores.

Água

Cada prédio terá um reservatório para a água da chuva. O acumulado poderá ser usado para tudo, menos nos usos que necessitem de água potável, como beber e cozinhar. Além disso, haverá opção de consumo reduzido em torneiras, mictórios e sanitários — cada um terá duas opções de descarga, com dois botões: um para três litros e outro para seis litros. As medidas podem gerar redução de 30% na conta de água de cada morador.

Temperatura

Uma malha de garrafas pet, instalada entre a parede interna dos apartamentos e a fachada do prédio, manterá a temperatura quente no inverno e fria no verão. O controle também é mantido com telhados e paredes verdes, de grama. Economia de 25% a 30% no uso do ar condicionado.

Construção civil

Toda madeira usada nos prédios deverá ser certificada, evitando a compra de material retirado de forma ilegal do meio ambiente, e com garantia de reflorestamento. Na compra dos materiais, será levado em conta o critério de regionalidade: quanto mais perto for adquirido, menor será a emissão de gases por conta do transporte. Além disso, os compostos utilizados na obra deverão ter conteúdos recicláveis nas suas fórmulas.

Conheça como devem ser as áreas comuns

Além das normas que cada prédio deve seguir, também existem padrões nas áreas comuns, que o empreendimento vai oferecer. Conheça as estruturas comunitárias:

Descarte de lixo

O lixo deverá ser separado em orgânico, metal, papel, plástico e eletrônico. Os resíduos das coletoras localizadas nas vias públicas do bairro serão levados a uma central de reciclagem própria.

Esgoto

Estação de tratamento de esgoto deverá abastecer todo o bairro com fornecimento de água de reuso — de chuva.

Área verde

Dos 30 hectares do bairro, dez serão de mata, que se transformará em parque com deques, trilhas, ciclovias, academia ao ar livre, quadras poliesportivas e playgrounds. As plantas escolhidas serão uma mistura das nativas com espécies que precisam de pouca água. O sistema de irrigação terá sensores, instalados no chão, que ligarão torneiras para distribuir somente o necessário para desenvolvimento das espécies.

Transporte

As vias serão projetadas para dar prioridade a pedestres e ciclistas. Os postes de luz nas ciclofaixas serão mais baixos que os usados nas vias dos carros, cuja velocidade máxima será de 30 km/h.

Clima

Para ajudar a manter o "microclima mais agradável para a região", como explica o engenheiro civil e diretor técnico da Sustentech Marcos Casado, serão criadas lagoas no bairro. Outra medida para evitar a absorção do calor será a cor do chão, todo claro.

Ruas

As vias internas serão de concreto, em vez de asfalto, porque o material é permeável, favorece a infiltração da água no solo, leva menos água da chuva para a rede municipal de esgoto e, assim, evita alagamentos. Além de o concreto ser de cor clara, o que reduz a sensação de calor, e ter durabilidade maior do que a do asfalto.

 

Fonte: http://zh.clicrbs.com.br/

Veja também

Calor do esgoto pode ser nova fonte de energia limpa03/07/14Trocadores de calor com este acima aquecem água que passa por tubulação adjacente à canalização A água da pia, da máquina de lavar ou do banheiro dissipa um calor valioso, que o serviço municipal de energia da cidade austríaca de Amstetten recupera 'in loco': no sistema de esgoto. O calor resultante das águas residuais ajuda a aquecer no inverno e resfriar no verão 4.000 metros quadrados de edifícios, permitindo uma economia considerável,......
Sistema de automação inteligente permite o monitoramento da estação aerada17/07/14Fibratec Engenharia disponibiliza o item como acessório para controlar o funcionamento do produto As estações de tratamento aeradas, produzidas pela Fibratec Engenharia, são compactas e projetadas especificamente para obter maior flexibilidade na sua instalação e implantação. Para trazer ainda mais......
III Seminário Regional de Resíduos Sólidos31/10 Participe do III Seminário Regional de Resíduos Sólidos. Será dia 7 de Novembro, no Salão de Atos da Unochapecó. Inscrições gratuitas até 04/11 através do site: unochapeco.edu.br/eventos....

Voltar para (NOTÍCIAS)